quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Governo sem vez na Folha

Leia esta nota que saiu hoje na "Folha de Londrina".
Na sequência, faço um pequeno comentário.

INFORME FOLHA

'Publicídio' à brasileira I

Vamos deixar claro: quando empresas destinam verbas para propaganda elas estão investindo na divulgação de um produto. Investem porque têm retorno. - É investimento, portanto. Empresário não rasga dinheiro.

'Publicídio' à brasileira II
Mas, quando é o governo que vai para a mídia, não é investimento: é gasto, ou desperdício.

Por quê?
Porque obras públicas não precisam de propaganda. Obras não vendem nada. São um bem de domínio público. Gastar uma fortuna, em horário nobre da TV, para falar de programas de governo, ou da Petrobras, é propaganda estéril. Só serve para agradar os donos das TVs.

Campanhas 2010
De janeiro a novembro de 2008, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), gastou R$ 110,3 milhões em propaganda. Aécio Neves (PSDB), de Minas, que também quer ser presidente, gastou, no mesmo perído, cerca de R$ 35 milhões. - Serra faz propaganda de sua gestão em outros Estados. Precisa?

Desperdício federal
Mas a soma dos dois gastos fica muito, mas muito abaixo dos gastos do Governo Lula. Apenas em 11 meses, Lula gastou mais R$ 1 bilhão (um bilhão!). Em 2009 o gasto deve ser maior: estamos mais perto das eleições de 2010.

Por que 'publicídio'?
Agências de propaganda e assessores do governo cometem a propaganda contra o governo. O excesso de inserções acaba irritando o público que dispara críticas. - A melhor propaganda da Petrobras - para o consumidor - seria praticar um preço menor para os combustíveis.

------------------


Pelo jeito, a Folha de Londrina não gosta de receber publicidade do Governo. Os outros veículos, sim.
De fato, na edição de hoje daquele Jornal não saiu nenhuma propaganda governamental oficial.
Pelo menos neste momento a Folha está sendo coerente. Paradoxal seria criticar a publicidade governamental numa página e na outra (ou num outro dia) sair um anúncio do gênero.
***
Imagino que não veremos mais propaganda do Governo na Folha. Nem da pessoa do Lula, nem da Petrobras. Mas, quem sabe, veremos a da Caixa Econômica Federal, a do Banco do Brasil...
Veremos?

5 comentários:

Ayrton Moreira disse...

tambem nao vamos ver anúncios públicos naqueles especiais de aniversario de Londrina que a Folha costuma fazer no final de ano. sempre a fatura é grande em cima da prefeitura e de empresas publicas.

jornaleirolocal disse...

Ah, Marcelino, a gente deveria aprofundar essa discussão sobre criticar algo e permitir.

A Caros Amigos fala mal da Vale e aceita seus anuncios.
Pelo menos tem independencia para falar mal.

E aqueles que, quando recebem $, ficam de bico calado? Pior ainda: Matéria paga.

Abraços e a até mais.

ps: Voltei a postar. rs.

José Ribeiro da zona sul disse...

Não é por nada não, respeito a opiniao do jornaleiro acima mas, convenhamos, a caros amigos não é a mercantilista folha de londrina.

Atento disse...

As notas do informe folha dão a impressão que o jornal realmente não aceita propaganda do governo. Depois o blogueiro ainda reforça a pseudo independencia do orgão. Mas na sequencia o próprio blogueiro, esclarece: A Folha não tem publicado anuncios diretos do governo e nem poderia, pois estes parecem não existir (na forma de anuncios), mas com certeza deve publicar anuncios da caixa, Banco do Brasil e outros que são do governo do mesmo jeito. Enfim, a propalada independencia total não existe e dificilmente poderia existir. E isto deve até ser recebido sem sustos. O que sempre causa espanto é a hipocrisia de dizer que não faz o que faz. Espero estar contribuindo para o debate, que é sempre bom.

Orestes Pereira disse...

Estou mais atendo ainda, e pelo que entendi o blogueiro ironizou a Folha.