quarta-feira, 31 de março de 2010

HORA DO RECREIO

video

terça-feira, 30 de março de 2010

Que haja transformação, e
que comece comigo!

Marilyn Ferguson

sábado, 20 de março de 2010

É preferível saber poucas coisas muito bem a saber muitas coisas muito mal.


Cid Cercal

quinta-feira, 18 de março de 2010

A RPC e os diários secretos

A Gazeta do Povo e a RPC dão um exemplo de bom jornalismo ao publicarem a série “Diários Secretos”, sobre os causos da Assembleia Legislativa do Paraná. Acho até que esta pauta deveria ser motivo de debates e ser dirimida nos cursos de jornalismo do país.
***
E eu continuo torcendo para que os seus concorrentes, na TV e nos jornais, sigam pelo mesmo caminho. Alguns, aliás, têm que mudar tudo, inclusive de princípios.
***
Parabéns ao pessoal das duas redações! E vamos acompanhar.

sexta-feira, 12 de março de 2010

HORA DO RECREIO

video

quinta-feira, 11 de março de 2010

Pesquisas?

E começaram o desfile e a chuva de pesquisas eleitorais nas páginas dos jornais, que tradicionalmente acontecem nesta época, a cada dois anos. De um modo geral, pesquisas nesta altura do campeonato são, de certa forma, suspeitas, e servem mais para pautar a imprensa, naturalmente sedenta de assuntos políticos.
***
Muita gente gosta de dizer que as pesquisas são a “fotografia” do momento, mas, sinceramente, duvido. Está mais para demagogia, para retóricas e para lapidação de discursos.
Pesquisa boa e verdadeira costuma sair duas semanas antes das eleições.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Criar é dar forma ao próprio destino.

Albert Camus

terça-feira, 9 de março de 2010

A gripe dos excluídos

Não me conformo com o fato de o governo disponibilizar apenas a metade das vacinas da Gripe A. Todos os brasileiros têm direito à dose, pois é o caso de enfrentarmos uma nova e provável pandemia!
***
Espero que a imprensa acorde para este fato. Até agora ninguém se tocou desta irregularidade constitucional.

Leia abaixo o que acho a respeito:

A Gripe A e o grito dos excluídos

O Ministério da Saúde está vacinando menos da metade da população brasileira, que hoje conta 192 milhões de pessoas. Uma das alegações para não imunizar todo mundo, de graça, é que não se comprou a quantidade de doses necessárias para tal, e por isso vai atuar na vacinação de 91 milhões – todas consideradas de certo risco. Em outras palavras: o governo quer debelar a gripe suína nos grupos de risco, mas ao praticá-la paradoxalmente cria novos grupos de risco, porque quem não for vacinado evidentemente correrá risco de pegar a temida gripe.

Só para constar, o MS adquiriu 113 milhões de doses a 1 bilhão e 300 milhões de reais. É um valor insignificante, considerando a alta virulência desta gripe. Também é um valor “bobo” para o nosso Governo, já que ele mesmo está ajudando a garantir a saúde de cidadãos de outros países, como o Haiti, Venezuela, Chile, Cuba e Bolívia.

A Constituição Federal diz que todos são iguais perante a lei e que a saúde deve ser garantida pelo Estado a todo cidadão brasileiro. Pergunto: onde está o cidadão brasileiro que não foi incluído em nenhuma das etapas de vacinação? Por que as pessoas de 2 a 19 anos não foram incluídas, justamente elas que estão em idade escolar e, por isso mesmo, frequentam ambientes altamente propagador da gripe? (de que adiantou, então, fecharem as escolas no ano passado no período agudo da doença? Não é uma contradição?) Por que as pessoas de 40 a 59 anos também não foram incluídas, justamente elas que ainda estão na fase produtiva da vida? A força de trabalho deste país, afinal, vai dos 18 aos 60 anos, é ou não é?

Assim, o Ministério da Saúde, com o aval do Governo federal, está criando o “Grupo dos Excluídos”, pessoas de bem, cidadãs brasileiras, que estudam, que produzem, que pagam seus impostos, que se preocupam com o social.

Erraram o foco. Só falta agora criarem o “Bolsa Vacina” e o “sistema de cotas” na imunização.
Presidente Lula, fazemos um apelo: com apenas mais R$ 1 bilhão dá pra garantir a vacinação de toda a população. Invista mais e faça valer, na prática, o lema de seu governo, afinal, o Brasil é um país de todos.

Marcelino Jr.